fbpx
Rottas Construtora investe mais de R$ 50 mi em PG

Rottas Construtora investe mais de R$ 50 mi em PG

4 de setembro de 2018
Por: rottas

Fonte: Portal A Rede

Ponta Grossa foi a cidade escolhida pela construtora curitibana Rottas para a sua expansão de mercado. Nos últimos meses, três residenciais fechados, foram lançados no município, cada um em uma região diferente da cidade. No total, somadas as unidades habitacionais de cada projeto, são mais de mil residências ofertadas. O valor aplicado pela empresa nesses três residenciais supera os R$ 50 milhões. “São três projetos no formato condomínio clube, com vários itens de lazer, para o morador não precisar sair para ter divertimento. Além disso, procuramos fazer todos eles com identidade visual, com características marcantes e traços modernos, com portais de entrada bonitos”, resume Paulo Rafael Folador, diretor de incorporações da Rottas.

O primeiro dos projetos apresentados na cidade foi o Porto Sabiá, na região da Chapada. A infraestrutura já está 100% concluída, e agora são construídas as unidades residenciais, que somarão 369, com dois ou três dormitórios. O outro residencial apresentado foi o Porto Olívia, na região do Cará-Cará, nas proximidades da Avenida Siqueira Campos (Contorno Leste). Com 218 unidades, segue o padrão do Porto Sabiá: um condomínio clube, com portaria 24h por dia, quadras poliesportivas, salão de festas, playground, piscina adulto e infantil, entre outros diferenciais. As casas também possuem piso cerâmico e teto com laje.

O último projeto lançado há cerca de um mês, foi o Porto Belvedere. Projetado no bairro Boa Vista, com acesso pela Rua Antônio Saad, é o maior dos residenciais da empresa no município. Mais de R$ 20 milhões serão aplicados para a construção de toda a infraestrutura e as 454 residências. Além de todas as características positivas dos dois primeiros, também conta com outros diferenciais. “Além do salão de festas tem um espaço gourmet com churrasqueira, duas piscinas, quadra de areia, redário, espaço zen, pomar com árvores frutíferas, musculação ao ar livre, playgroud, e 50 mil metros quadrados de área preservada, que pertencem ao condomínio – vai ter uma trilha ecológica nela. Temos também um mirante já que tem uma vista muito bonita, e daí vem o nome Belvedere”, explica Folador.

As residências do Belvedere têm entre 50 m² e 57 m² de área construída, com dois ou três quartos e uma vaga de garagem. Cada unidade possui um terreno privativo com, pelo menos, 130 m². “As casas são geminadas de um lado apenas, então há passagem pelo lado das casas. Na área dos fundos há espaço de mais de 32 m², onde os proprietários podem ampliar, fazer lavanderia, churrasqueira”, revela o incorporador, lembrando que as residências são construídas com produtos de qualidade.

Projetos são enquadrados no Minha Casa, Minha Vida

Mesmo com todos esses diferenciais, a Rottas oferece um preço acessível e um custo/benefício praticamente inigualável na cidade. No Porto Sabiá há unidades comercializadas a partir de R$ 112 mil. Já no Porto Belvedere as residências são comercializadas a partir de R$ 118 mil. Todos os projetos contam com unidades enquadradas no Programa Minha Casa, Minha Vida, com algumas famílias podendo obter subsídios de até R$ 36,5 mil e dar parte do FGTS na entrada. “Quem vai olhar se surpreende com as possibilidades, porque uma família com renda a partir de R$ 1,3 mil já consegue comprar”, relata.

Por tudo isso, os residenciais são um sucesso de vendas. E quem se interessou deve procurar a empresa o quanto antes possível. “É algo único e o que é bom, dura pouco. A procura está extremamente alta, então a sugestão às famílias que tenham interesse é que corram”, conclui. O plantão de vendas está na Rua Antonio Saad, 1.400. Mais informações podem ser obtidas no site www.rottasconstrutora.com.br.

Novos aportes estão previstos

Diante da boa aceitação dos projetos residenciais, tanto por parte da população quanto da prefeitura, a Rottas Construtora confirmou à reportagem do Jornal da Manhã e Portal aRede que fará novos aportes na cidade. “Ponta Grossa é uma cidade com economia sólida, economia pujante e de grande desenvolvimento, com muitas industrias, e grande renda formal. E a empresa não veio para fazer só três residenciais, mas para se estabelecer no município”, assegura Folador.